Seja por motivos de viagem, trabalho ou compras, transferir dinheiro para o exterior já foi uma tarefa árdua para o brasileiro. A boa notícia é que hoje esse processo é muito mais simples, econômico e rápido. Basta estar por dentro das novidades do mercado.

Afinal, para além de fazer um bom negócio no câmbio, a transferência também deve ser vantajosa na hora de efetuar uma transação para o filho que estuda fora, parentes que moram em outro país ou outros tipos de pagamento.

Avanços tecnológicos, aliados a propostas de mudanças regulatórias e à possibilidade de aprovação do projeto de lei cambial no Brasil, integram o que classificamos como uma verdadeira revolução no mercado de câmbio brasileiro. Um passo importante para deixar de vez aquelas transações árduas, caras e cheias de truques no passado. 

  • Novas regras do Banco Central

O Banco Central finalizou em janeiro uma consulta pública para novas regras de modernização do mercado de câmbio. De acordo com o edital do BC, as propostas devem aprimorar a regulamentação do mercado, considerando as inovações tecnológicas e os novos modelos de negócios voltados para quem precisa transferir dinheiro para o exterior. 

De maneira geral, o objetivo do Banco Central é desburocratizar as transações e atualizar as regras vigentes sobre o tema.  A instituição argumenta que a atual legislação cambial começou a ser estruturada em 1920, em um contexto de escassez de moeda estrangeira, algo que não condiz mais com uma economia globalizada. 

O objetivo das novas regras é regulamentar instituições de pagamento que atuam no mercado de câmbio; permitir a abertura de contas de pagamento pré-pagas em moeda nacional para quem mora no exterior e a criação do eFX, uma plataforma eletrônica para tratar dos serviços de pagamento ou transferência.

O que tudo isso significa? 

As movimentações do Banco Central mostram que a instituição está atenta às inovações do mercado de câmbio e se preocupa em regularizar esses serviços junto à população, criando resoluções para estimular o mercado em um conceito chamado de open banking

Avaliamos que posições como essas contribuem com modelos de negócio inovadores, que aumentam a eficiência das transações e reduzem o custo para quem as utiliza. 

Todas as propostas que constam na consulta pública do BC atualmente estão sob análise no Congresso Nacional. O projeto que prevê mudanças na Lei Cambial já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, em dezembro de 2020, e aguarda aval do Senado Federal para seguir para sanção do presidente.

  • Tecnologia como principal aliada

Um estudo do Grupo Croma apontou que, entre os brasileiros que realizaram transferências de dinheiro para o exterior ou que fizeram compras em outra moeda nos últimos 12 meses, há uma insatisfação e desconfiança em relação aos serviços disponíveis no mercado.

A pesquisa mostra que 29% dos entrevistados reclamaram de falta de transparência dos valores tarifários na hora de efetuar a transação. Além disso, 57% dos brasileiros preferem as plataformas digitais para realizar as operações.

Os dados só confirmam que, para quem quer transferir dinheiro para o exterior, as plataformas online e aplicativos são preferências. Entre os entrevistados, 61% afirmam que pretendem utilizar essas ferramentas em uma próxima movimentação financeira para o exterior.

  • Menos burocracia, mais rapidez

A tecnologia é uma verdadeira aliada quando o assunto é transferir dinheiro para o exterior. Na Nomad, por exemplo, você se livra de burocracias, taxas absurdas e processos longos na hora de fazer transações. Fica muito mais fácil e rápido transferir dinheiro para familiares que estudam ou moram fora, por exemplo. Além disso, o app da Nomad também te permite investir em mercados globais de forma simples.

O serviço de transferência da Nomad Global é uma das melhores opções do mercado para quem está em dúvida de como enviar dólar para o exterior. Isso porque você envia dólares através de uma conta já sediada nos Estados Unidos, que é assegurada em até 250 mil dólares pelo FDIC. 

Além disso, todos os dados da sua conta são acessados de forma simples no próprio aplicativo, o que torna o processo de transferência bem mais simples

Com a Nomad, você tem liberdade para enviar dólares de qualquer lugar do mundo para qualquer conta americana, via Wire Doméstico

Wire Doméstico 

O Wire Doméstico é a forma padrão de transferências nos Estados Unidos. Em outros bancos, são cobrados US$ 25 padrão por cada wire. Na Nomad, você pode transferir seus dólares para contas Nomad sem custo nenhum e de forma estantânea. Para as demais contas americanas são cobrados apenas US$ 10, sem taxas variáveis e custos escondidos. É a menor taxa do mercado.

Outra vantagem da Nomad quando o assunto é transferir dinheiro para o exterior é a cotação. Utilizamos o dólar comercial, e não turismo, o que torna a conversão final ainda mais vantajosa. Todas as taxas cobradas também são transparentes, o que diferencia a marca no mercado de contas globais: a taxa IOF fica em 1,1%, enquanto o spread cobrado é de 2%.

Na Nomad, também existe a facilidade do recurso de cotação real time: de 1 em 1 minuto, aproximadamente, o app da Nomad Global é atualizado de acordo com o mercado, sendo possível escolher o melhor momento para fazer a transferência. Uma maneira muito mais prática para transferir dinheiro para o exterior.

Se esse conteúdo foi útil para você, não deixe de conferir:

Be Nomad. Be global.

Leave a Reply

onze − 6 =